Meu nome não é Johnny

27/05/2011 § 1 comentário

Ele tinha tudo para ser bom

     Na mesma onda iniciada com Cidade de Deus de grandes produções nacionais que retratam o coquetel tráfico de drogas mais violência no Rio de Janeiro, estréia agora Meu nome não é Johnny. O longa vem sendo aguardado pela galerinha antenada, desde que foi divulgado que o ator Selton Mello faria o papel principal e que o filme aborda o tema mais fetichizado pelo cinema brasileiro nesta década.

     Conta a história verídica de João Guilherme Estrella, vulgo Johnny, garoto de classe média, que se tornou na década de 80 o maior traficante da Zona Sul carioca. Baseado no livro homônimo do jornalista Guilherme Fiúza, a versão cinematográfica opta por um caminho mais comercial. Enquanto o livro tem dois terços de suas páginas dedicadas a fase de reabilitação da vida de Johnny, quando esteve na prisão e em um manicômio e apenas um terço a sua fase de traficante e viciado, o filme inverteu essa ordem, direcionando o foco para sua época não ortodoxa. O estigma de drug movie é inevitável.

     Há uma overdose de cenas de “festinhas” que não contribuem para a evolução narrativa, só reforçam o conceito já compreendido de celebração coletiva burguesa. Depois de desperdiçar metade do tempo com frivolidades, quando o final se aproxima, o diretor começa a correr com o desfile, como se percebesse que a escola está andando muito devagar e resolvesse apressar as alas, que começam a se atropelar tentando manter o sorriso no rosto. A repetição de certas idéias, tanto através dos diálogos, quanto de metáforas visuais contribuem mais ainda para esse panorama, que se agrava quando o filme ganha um tom cômico totalmente fora de contexto. Para fechar com chave de ouro, um final redentor correspondente àquele um terço da reabilitação. Pronto, Johnny vira herói! Uma versão estranha de It`s a log way do Caetano toca na trilha. Todos choram. Não podemos esquecer as justificativas deterministas para a causa do personagem ter se tornado traficante. O pior é que os atores são bons, a direção de arte é caprichada, a produção bacana e até a história do protagonista é interessante. Teria mostrado um outro lado desse prisma social, não fosse tão leviano, quanto o personagem.

Ficha Técnica

Diretor: Mauro Lima

Elenco: Selton Mello, Cleo Pires, Júlia Lemmertz, Cássia Kiss, Ângelo Paes Leme, Rafaela Mandelli…

Gênero: Drama

Produção: Brasil

Duração: 124 min

Publicado originalmente em 01 de dezembro de 2008.

Anúncios

Marcado:, , , , , , , , , , , , ,

§ Uma Resposta para Meu nome não é Johnny

  • Pablo G. disse:

    Muito bom. Até ler essa resenha eu tinha uma visão bem rasa desse filme. Vc me fez enxergar outro lado…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento Meu nome não é Johnny no Cinédoque.

Meta